A BRINQUEDOTECA NA ESCOLA: POSSIBILIDADE DO RESGATE DO LÚDICO OU RECURSO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

 

Edna Mara Gonzaga Rodrigues Puga[1]

Léa Stahlschmidt Pinto Silva[2]

 

Passos iniciais de um caminho percorrido

 

A nossa inserção no trabalho com Educação Infantil reportou-nos a interesses passados, vividos durante o tempo de graduação em Pedagogia pela Universidade Federal de Viçosa - MG. Ao participarmos como estagiária na organização de uma Ludoteca dentro do Campus da referida Universidade, no ano de 1996, começamos a nos interessar pelo tema e a perceber a importância desde espaço para a vida das crianças e para a sociedade.

O brincar se faz urgente em nossas vidas, em especial na das crianças. Os interesses hegemônicos, considerados produtivos, da nossa sociedade estão nos transformando em adultos indiferentes quanto ao significado do brincar. De acordo com MACHADO (1994, p.21),  “O brincar é nossa primeira forma de cultura” e é nas brincadeiras que a criança que se expressa, vive sua cultura e a reproduz. Brincar significa estar criativamente no mundo, estar em diálogo com o outro, com a natureza, com o social. Pois, experimentando a atividade lúdica a criança representa, cria, recria e se envolve nas complexas relações sociais de sua cultura. A infância é parte fundamental da sociedade e a criança é um cidadão ao brincar, pois está cumprindo seu papel social.

 Cada dia que se passa a criança vai perdendo seu espaço social e físico para brincar. Existem ainda locais apropriados para uma criança exercer a prática do lúdico? Vivemos atualmente uma cultura na qual impera o individualismo, não dando espaço para que o lúdico se faça presente. Sendo assim, se vivemos em sistemas cada vez mais excludentes, é preciso buscarmos alternativas para que as crianças experienciem o brincar e vivam melhor.

 Desta forma, algumas questões nos instigaram e conduziram à busca de uma compreensão do que representaria a brinquedoteca para os profissionais da educação e para a sociedade: Por que a ausência de brinquedotecas em instituições escolares? O que os diretores dessas instituições dizem sobre a brinquedoteca? Como o brincar é visto pelos educadores? Estas questões, inquietaram-nos e motivaram a desenvolver um trabalho de pesquisa para assim, compreender qual é a importância dada pelos educadores a este espaço lúdico tão próprio para o brincar. Baseando-nos nestas reflexões foi que o objetivo deste trabalho de monografia nasceu, de investigar junto aos diretores de quatro escolas, públicas e privadas, do município de Juiz de Fora - MG, o que dizem sobre o funcionamento de brinquedotecas dentro do espaço escolar. Foram estas as questões que nos orientaram ao longo do trabalho de investigação:

- Por que um espaço lúdico dentro da escola?

- Qual a concepção dos profissionais da educação da presença de brinquedotecas no espaço escolar?

 

Como foi o percurso...

Com o intuito de conhecermos o que os educadores dizem sobre as brinquedotecas no âmbito do contexto escolar, optamos por utilizar como metodologia de trabalho a investigação qualitativa. Quanto à estratégia usada para a coleta de dados, utilizamos a técnica das entrevistas semi-estruturadas com diretores das instituições previamente selecionadas.

No decorrer da pesquisa foram entrevistadas quatro profissionais que gerenciam instituições escolares: uma diretora de uma Cooperativa Educacional, que trabalha com alunos da educação infantil e do ensino fundamental e três diretoras de escolas públicas, sendo duas de escolas municipais e uma de escola estadual. Uma das escolas municipais e a  estadual trabalham exclusivamente com a educação infantil. A outra escola do município atende além das crianças da educação infantil também alunos do ensino fundamental. Os sujeitos foram escolhidos sem critérios previamente estabelecidos, sendo definido como requisito apenas que estivessem atuando em escolas. Buscamos através de uma entrevista semi-estruturada com cada um dos sujeitos, estabelecer um diálogo para conhecer o que elas entendem e dizem sobre as brinquedotecas e seu funcionamento. Além disso, procuramos compreender as suas concepções acerca do brincar.

As seguintes questões nos orientaram: Como o brincar é visto pelos educadores? O que os diretores das escolas entendem sobre o papel da brinquedoteca? O que dizem estes profissionais sobre o funcionamento de uma brinquedoteca dentro do espaço escolar?

Após a realização das entrevistas, fizemos registros nos diários de campo, na busca de uma compreensão prévia do que foi discutido no decurso da entrevista entre o investigador e o investigado. Os diários de campo contribuem na medida em que, assim que finalizada a entrevista, ainda no calor das falas, o entrevistador relata com autoria as suas impressões, sentimentos e opiniões acerca do que se constituiu diálogo entre ele e o entrevistado.

Para o desenvolvimento desta pesquisa nos fundamentamos na teoria dos seguintes autores: Philippe Ariés, Lev. S. Vygotsky, Donald W. Winnicott, Tisuko Morchida Kishimoto, entre outros estudiosos que vêm pesquisando no Brasil, temas relativos à infância, à criança, ao brincar e à brinquedoteca.

 

NO CAMINHO, O DIÁLOGO COM ALGUNS TEÓRICOS

 

A criança e o brincar... alguns séculos de história

Para compreendermos a criança na contemporaneidade é necessário conhecermos sua história ao longo dos séculos e principalmente a sua história social construída no decorrer das últimas décadas, período em que a infância foi alvo de muitos estudos e pesquisas. Estamos vivendo nos dias de hoje a passagem para um novo milênio e, como coadjuvantes deste fato histórico, somos convidados à mudança de pensamento e de paradigma. Portanto, reconhecer socialmente a criança e valorizar suas especificidades é uma das grandes responsabilidades dos tempos atuais, visto que a criança de hoje apesar de referendada em lei como um sujeito de direito no interior da sociedade, em alguns aspectos ainda continua à margem nas relações sociais, principalmente no que diz respeito ao seu direito de estar na sociedade como um cidadão.Temos o Estatuto da Criança e do Adolescente - Lei 8069/90, que aponta como principal objetivo a garantia dos seus direitos pessoais e sociais e a LDB - 9.394, que assegura o direito da criança à educação e referenda, o direito da criança de 0 a 6 anos à educação infantil.As crianças estão engendradas nas relações familiares, culturais, políticas e educacionais da sociedade, apropriam-se dos valores e comportamentos do seu tempo e lugar e fazem parte da história. O educador KUHLMANN (1998), preocupado com as questões da infância, fala deste aspecto com muita clareza:
 
É preciso considerar a infância como uma condição da criança. O conjunto das experiências vividas por elas em diferentes lugares históricos, geográficos e sociais é muito mais do que uma representação dos adultos sobre esta fase da vida. É preciso conhecer as representações de infância e considerar as crianças concretas, localizá-las nas relações sociais, etc, reconhecê-las como produtoras da história. (p. 31)

 

Voltando alguns séculos no tempo, tomando como referência estudos históricos, vimos que apenas a partir do século XVII a criança passou a ser reconhecida pela sociedade; nos séculos anteriores elas não saiam do anonimato. Fatos como: o infanticídio, a venda de crianças, o abuso sexual, a barbárie e as altas taxas de mortalidade, exemplificam o descaso para com a criança e para com a sua efetiva permanência na sociedade. A morte de uma criança, por exemplo, era vista sem muita tristeza, sendo percebida pelos pais como fato natural e até mesmo necessário. Caso sobrevivesse ao período de risco de morte, a criança começava a fazer parte do mundo dos adultos. ARIÉS (1981), historiador francês, em sua obra A Historia social da criança e da família, nos chama a atenção para a condição social da criança na época da antiguidade e idade média: “Assim que a criança superava esse período de alto risco de mortalidade, em que sua sobrevivência era improvável, ela se confundia ao mundo dos adultos.” (p.157)

Apenas a partir do século XVII, inicia-se uma tomada de consciência em torno das particularidades da criança, o que Ariès (1981) chama de Sentimento de Infância: “O sentimento de infância não significa o mesmo que afeição pela criança: corresponde à consciência da particularidade infantil, essa particularidade que distingue essencialmente a criança do adulto, mesmo jovem.” (p. 57)

Este sentimento referido pelo autor, nasce dentro da família numa época em que a criança por sua ingenuidade e graciosidade passa a ser um objeto de distração e relaxamento para o adulto. Inicia-se aí o que Ariès chamou de paparicação e posteriormente, um novo sentimento, contraditório ao primeiro começa a aparecer, o de moralização da criança, que passa a ser vista como um ser frágil e inocente que, de engraçadinha e motivo de entretenimento para os adultos precisa ser educada e disciplinada, para não ser corrompida pelo mundo adulto.

É a partir desta época, final do século XVII, início do século XVIII, que começam as primeiras preocupações com a higiene, saúde e educação das crianças, esta última por interesse dos padres Jesuítas, que empenhados na moralização do infante[3], fundamentam sua pedagogia à luz dos conhecimentos da psicologia e de seus métodos para educação. Até então não havia, uma educação destinada às crianças em especial, elas eram misturadas aos adultos, sem qualquer distinção de ordem física e ou psicológica, o que não é de difícil compreensão para aquela época, em que apenas naquele momento histórico começava a haver uma preocupação com a educação das crianças. De acordo com Ariès (1981), este é um traço característico da visão social da época: “Assim que ingressava na escola, a criança entrava no mundo dos adultos. Essa confusão tão inocente que passava despercebida, era um dos traços mais característicos da antiga sociedade.” (p.168)

 A infância não era pensada de forma específica na sociedade, pelo contrário, educar a criança foi necessário para ela poder ser enfim, moralizada e assim transformar-se em um adulto em condições de participar da vida social. Caso contrário, poderia continuar sendo, provavelmente, um estorvo para a sociedade, já que era vista como um ser despreparado e mal educado: “A criança não era divertida nem agradável: só o tempo pode curar o homem da infância e da juventude, idades da imperfeição sob todos os aspectos”. (ARIÈS, 1981 p. 162)

Cabe nesta reflexão histórica uma questão: a criança, sujeito sem importância para a sociedade antiga, tinha o direito de brincar? Ou o brincar não fazia parte de sua vida?

Na antiguidade, as brincadeiras e os jogos das crianças eram os mesmos dos adultos:No início do século XII não existia uma separação tão rigorosa como hoje entre as brincadeiras e os jogos reservados às crianças e as brincadeiras e jogos dos adultos. Os mesmos jogos eram comuns a ambos”. (ARIÈS, 1981, p. 88). Da mesma forma que a criança não tinha seu espaço na sociedade, também a prática do brincar dependia dos adultos. Na sociedade antiga, os jogos e as brincadeiras eram muito comuns entre os adultos, constituíam uma das formas mais utilizadas de estreitamento dos laços entre as pessoas, e as crianças também participavam juntamente com eles deste valor social. Não havia as brincadeiras destinadas às crianças, elas não tinham um tempo e um espaço físico e social para brincar, para criar ou para adquirir brinquedos. Os brinquedos mais utilizados pelas crianças, nas suas brincadeiras eram miniaturas de objetos do universo dos adultos, como o cavalo de pau, o arco de penas, o pássaro e a boneca. Muitas dessas miniaturas de objetos, eram também depositadas nos túmulos das famílias e possuíam uma significação religiosa. No caso das bonecas, é interessante observar, que elas serviam de presentes e enfeites para as mulheres, e até início do século XIX faziam o papel de manequins para elas. Elas eram também brinquedos, tanto das meninas quanto dos meninos. 

Mas é necessário considerarmos ao analisar estas questões, que a infância e o brincar possuíam significados diferentes, de acordo com as determinações culturais daquela época. O tratamento dispensado às crianças condizia com os valores econômicos, sociais e culturais do período histórico em questão. Cabe a nós perguntarmos: e na contemporaneidade, a forma que nossas crianças são consideradas condiz com os nossos valores culturais? Que valores são esses, que permitem que as crianças trabalhem ao invés de brincar ou estudar; que vivam nas ruas e passem fome? Ao nos depararmos com a história da criança ao longo dos tempos ficamos muitas vezes assustados com tanta indiferença, por isso a necessidade de considerarmos a escala social de valores de cada época e relacionarmos aos fatos contemporâneos. Não é verdade que vivenciamos atualmente situações chocantes nessa época de tantos avanços, em que a ciência e a tecnologia tudo podem?

 

Brincar ... e ser criança ... coisas sérias!

Brincar,

essencialmente satisfaz.

(WINNICOTT, 1975)

Após transitar por alguns séculos de história sobre a infância, vimos de que maneira o brincar acompanha a humanidade. O que é brincar? Atividade tão “simples”, e ao mesmo tempo tão séria, que diz tanto por si mesma. Assim como a infância, o brincar precisa ser pensado, compreendido e cuidado. Necessita ser cultuado para que não seja desvirtuado: um brincar em que se faça presente, a criatividade, o prazer, o faz de conta, o brinquedo, a imaginação, a construção, e o sonho, porque é extremamente importante para a criança a experiência da atividade lúdica para que ela poder ser e acontecer. Também para que através da brincadeira apreenda o mundo à sua volta e compreenda as relações que nele estão presentes.

O brincar, como atividade essencialmente da criança, acompanha como ela o caminhar das sociedades. E para que ele não seja desvalorizado com as mudanças de valores que ocorrem nas mesmas, precisa ser levado a sério, precisa ser praticado e experienciado principalmente pelas crianças, que trazem como marco de suas primeiras e principais atividades o brincar livre. A criança constrói sua identidade brincando, e ao brincar atua sobre a realidade, representando-a, vivendo-a e transformando-a, num processo que é imaginário e ao mesmo tempo real. Por exemplo, em uma situação de faz de conta, na qual a criança brinca de mamãe e filhinha. Ela utiliza das regras que vivencia no seu cotidiano de filha para que sua brincadeira seja legítima, caso contrário, não seria possível a situação de faz de conta. Mesmo sendo uma atividade imaginária, ela é calcada no real. No campo da psicologia, destaca-se a obra de VYGOTSKY (1998), que afirma:

 

Sempre que há uma situação imaginária no brinquedo, há regras - não as regras previamente formuladas e que mudam durante o jogo, mas aquelas que tem sua origem na própria situação imaginária. Portanto, a noção de que uma criança pode se comportar em uma situação imaginária sem regras é simplesmente incorreta. Se a criança está representando o papel de mãe, então ela obedece as regras do comportamento maternal. O papel que a criança representa e a relação dela com um objeto (se o objeto tem seu significado modificado) originar-se-ão sempre das regras. (p. 125)

 

WINNICOTT (1975), terapeuta especializado no trabalho com crianças pequenas, também nos fala da importância do brincar para o desenvolvimento da criança e de sua ponte com a realidade:

 

A criança traz para dentro dessa área da brincadeira objetos ou fenômenos oriundos da realidade externa, usando-os a serviço de alguma amostra derivada da realidade interna ou pessoal. Sem alucinar, a criança põe para fora uma amostra do potencial onírico e vive com essa amostra num ambiente escolhido de fragmentos oriundos da realidade externa.(..) No brincar, a criança manipula fenômenos externos escolhidos com significados e sentimentos oníricos. (p.76) 

 

Mesmo sendo o brincar uma atividade também para a vida adulta, é na infância que ele se inaugura, e é na infância que ele promove a realização dos fenômenos mais significativos para o indivíduo na busca do seu eu. A prática de brincadeiras proporciona à criança um confronto e um diálogo do mundo externo com o mundo interno, criando uma área própria para o brincar, a qual leva a pessoa ao encontro do seu eu e consequentemente à construção da sua subjetividade. WINNICOTT (1975), mostra que esta área própria do brincar “não é a realidade psíquica interna. Está fora do indivíduo, mas não é o mundo externo”. (p.76)

O brinquedo é a forma de comunicação da criança com a realidade desde a mais tenra idade, e principalmente nela, pois o brincar ajuda a criança a superar suas necessidades mais primitivas e imediatas. O brinquedo funciona também como um atendimento às necessidades não realizáveis imediatamente para a criança, pois ao brincar ela se envolve num mundo imaginário onde satisfaz seus desejos. O bebê não suporta não ser atendido prontamente, ele precisa de uma ação que o satisfaça naquele momento determinado, e esta satisfação vem no ato de brincar. De acordo com VYGOTSKY (1998), “Para resolver esta tensão, a criança (...) envolve-se num mundo ilusório e imaginário onde os desejos não realizáveis podem ser realizados, esse mundo é o que chamamos de brinquedo.” (p.122) Portanto, o papel do brincar no desenvolvimento da criança é fundamental, pois é através dele que a criança elabora o seu estar no mundo, dialogando à sua maneira com a realidade concreta e com o outro.

É importante ressaltar que a criança ao nascer, ainda está profundamente ligada à mãe. Neste período de total dependência, o bebê vive suas primeiras experiências com o brincar, como a troca de sorrisos com a mãe, o toque no corpo dela e no seu, a brincadeira de esconde-esconde sob o cobertor. Estas brincadeiras podem ser consideradas uma conquista da relação de confiança estabelecida na díade mãe-bebê. O brincar é uma linguagem, e o primeiro parceiro nas brincadeiras para a criança é a mãe, que além de proporcionar uma comunicação direta entre o bebê e ela, permite a ele uma comunicação com o mundo, iniciando assim o seu viver criativo.

De acordo com WINNICOTT (1975), no decorrer das suas experiências e ao dar início à divisão entre o eu e o não-eu, o bebê passa a substituir o seio por um objeto transicional que o represente. Este objeto pode ser um ursinho, a ponta de um cobertor, ou algum outro objeto eleito pelo próprio bebê. O objeto transicional, pode não ser necessariamente um objeto real, podendo ser uma palavra ou uma música. Os fenômenos transicionais se tornam muito importantes para o bebê na hora de dormir, ou como de defesa em situações de ansiedade, ajudando-o a superar as frustrações necessárias ao seu desenvolvimento e conduzindo-o ao uso da ilusão e dos símbolos. Estes fenômenos são chamados de “transicionais”, pelo fato de que eles “incidem numa área da experiência que não pertence nem à pura subjetividade e nem à pura objetividade, mas a meio caminho entre uma e outra”. (ROSA, 1998, p.29). Esta terceira área, a da experiência, também denominada por WINNICOTT (1975) como “espaço potencial” é o lugar onde se encontra o brincar e posteriormente a experiência cultural.

Se buscamos compreender a criança e o seu desenvolvimento, devemos compreender também suas brincadeiras, pois o brincar é uma das atividades mais significativas realizadas por elas. O brincar é o meio que a criança encontra para se comunicar com o mundo ao seu redor. Quando bebê, a realidade externa é para a criança estranha e desordenada, e a atividade lúdica, como um simples sorriso, acontece de maneira prazerosa e criativa fazendo com que ela se reconheça e conheça o mundo a sua volta, construindo assim, as suas primeiras interações sociais. Para WINNICOTT (1975), é o brincar que promove o estar criativo do ser humano no mundo, e é sendo criativo que ele constrói sua subjetividade:

 

É no brincar somente no brincar que o indivíduo, criança ou adulto, pode ser criativo e utilizar sua personalidade integral: e é somente sendo criativo que o indivíduo descobre o eu. (...) Ligado a isso, temos o fato de que somente no brincar é possível a comunicação, exceto a comunicação direta. (p.80)

 

 

Desta forma, mais uma vez, podemos afirmar o valor da atividade lúdica para o desenvolvimento integral da criança e a necessidade que ela tem de viver a experiência do brincar, da verdadeira brincadeira espontânea, na qual ela faz as suas próprias descobertas, constrói seus próprios conhecimentos e busca à sua maneira o seu estar criativo no mundo. Só assim, sendo a criança sujeito de suas brincadeiras é que ela encontrará o seu eu e construirá sua identidade. Portanto, mais que reconhecermos a importância do brincar, é preciso dar oportunidade e espaço tanto físico quanto social, para que a criança viva o que lhe é de direito, o brincar livre e criativo.

 

A importância do resgate do lúdico

Depois de refletir sobre a infância e o brincar, buscaremos compreender o espaço que as atividades lúdicas ocupam na vida das crianças. Para isso, algumas questões são importantes apontar: è permitido às crianças exercerem seu direito de brincar espontaneamente? Conhecemos os brinquedos e as brincadeiras com as quais as crianças vivenciam situações lúdicas?

Podemos considerar o brincar como um fato universal, pois sua linguagem abrange todas as crianças do mundo independente da idade, sexo, raça ou classe social. Mas, podemos considerar como universal que todas as crianças brincam?

Procurando refletir sobre as questões apontadas acima, vimos que nas últimas décadas, o avanço tecnológico e científico ocorreu de maneira extremamente acelerada, e com isto várias transformações aconteceram no interior da sociedade. Em relação ao desenvolvimento da criança e ao brincar podemos considerar como avanços, os estudos e pesquisas desenvolvidos acerca desta temática, a conscientização por parte de educadores da importância do brincar para o desenvolvimento integral das crianças e uma preocupação maior em relação à segurança na fabricação dos brinquedos. (FRIEDMANN, 1998). Como retrocessos podemos apontar que as condições sociais e tecnológicas da modernidade comprometeram, de certa forma o espaço, o tempo, e os objetos de brincar. As crianças perderam o espaço e a segurança das ruas e calçadas, com isso perderam também parte da liberdade na escolha das suas brincadeiras e companheiros. As grandes cidades, os pequenos apartamentos não permitem mais as interações sociais. Com a modernidade as crianças não têm tempo para “perder” com brincadeiras, pois têm uma série de responsabilidades que são consideradas mais importantes, como cursos de informática, línguas, danças, esportes, etc. As instituições escolares são também fotografias destas mudanças de valores, as brincadeiras foram deixadas de lado em detrimento das atividades pedagógicas, que são mais produtivas.

Em relação à experiência do brincar é necessário que aconteça uma busca coletiva dos valores ficados para trás, dos brinquedos tradicionais, autênticos, construídos a base de materiais simples, mas com infinitas possibilidades de brincar e sonhar; como as bolinhas de gude, as pipas de papel de seda, o cavalinho de pau, a boneca de pano, os carrinhos de madeira, as latinhas reaproveitadas que serviam para a construção de uma infinidade de objetos para brincar. Precisa-se também, que haja um resgate das brincadeiras da nossa cultura popular, as brincadeiras alegres, cheias de energia e companheirismo, como: o pique-esconde, a amarelinha, o soltar pipa, o brincar de casinha, o passar anel, o futebol de rua, as brincadeiras de roda; experiências gostosas e saudáveis, nas quais as crianças corriam, pulavam, rolavam, brigavam e aprendiam. São estas brincadeiras que deixam saudades e que marcam a vida das pessoas, pois são significativas e acontecem profundamente na experiência de ser criança.  

ABRAMOVICH (1983), desenvolveu um trabalho de pesquisa com objetivo da saber se as crianças de hoje ainda brincam e com o que brincam e foi conversar diretamente com elas. Baseada nos depoimentos das crianças, chegou às seguintes considerações:

 

Vejam só, as crianças não estão vendo muita graça nestes brinquedos passivos, que só pedem que se olhem e que se lidem com eles cumprindo ordens, no melhor estilo escolar e no pior enfoque lúdico... E tem mais: não gostam não de brincar sozinhas e não estão vendo muito charme nessas propostas segregacionistas e isoladas... Querem companhia pra brincar! (...) E se ainda preferem os brinquedos de sempre, aqueles que são eternos, como o carrinho e a boneca, se estes continuam a grande paixão (com todas as razões), estão perdendo todos os referenciais de antigamente por que os pais não estão lhes passando as magias e fascínios de suas próprias infâncias... (p. 152-53)

 

A televisão, inserida em um universo de mudanças e de novos valores na sociedade, além de instrumento eficiente na divulgação de brinquedos modernos passou a concorrer fortemente com as brincadeiras livres e tradicionais das crianças, trazendo novas concepções acerca do que seja entretenimento. As crianças por uma série de motivos como: falta de companhia para brincar, escassez de tempo dos pais para acompanhá-la nas diversões, falta de brinquedo e de espaço físico, passam horas diante da imagem sedutora da TV.

O computador, grande símbolo da modernidade, se tornou mais um instrumento no rol dos brinquedos das crianças. Juntamente com a internet, ambos contemporâneos à televisão, fazem parte também de um novo paradigma acerca do que seja o lúdico, paradigma este que vem sendo construído paralelamente aos avanços científicos e tecnológicos da nossa sociedade.

Contudo, mesmo variando as formas e/ou as concepções, as crianças continuam a brincar, desde a criança dos centros das cidades, das periferias, ou do campo; desde a criança carente até a com melhores condições econômicas, até a criança de rua ou a institucionalizada, fato é, que todas elas procuram maneiras e espaços para se descobrirem e descobrir o mundo através de suas brincadeiras. 

Nas últimas décadas temos conhecimento de algumas iniciativas que buscam resgatar os brinquedos e o brincar no seu sentido amplo, que são as Brinquedotecas, estrutura física e social que têm como principal objetivo a promoção do "desenvolvimento de atividades lúdicas e o empréstimo de brinquedos e materiais de jogo". (KISHIMOTO, 1998).

 

Então... as brinquedotecas

Como surgiram as brinquedotecas...

A primeira iniciativa de brinquedoteca surgiu em 1934, em Los Angeles, nos Estados Unidos, quando o dono de uma loja de brinquedos percebeu que estava sendo roubado por crianças e reclamou com o diretor de uma escola municipal sobre a situação. O diretor chegou a conclusão de que as crianças estavam praticando furtos de brinquedos por que não tinham com o que brincar. Então, com recursos da comunidade local iniciou um serviço de empréstimo de brinquedos. O serviço deu certo, existe até hoje e é chamado de Los Angeles Toy Loan. (CUNHA[4], 1998).

 Em 1963, em Estocolmo, na Suécia, a idéia de emprestar brinquedos começou a ficar mais consistente, sendo expandida quando duas mães de crianças excepcionais fundaram a primeira Lekotek (brinquedoteca em sueco), com o objetivo de orientar as famílias de excepcionais como poderiam brincar com seus filhos para estimulá-los melhor. Em 1967, na Inglaterra, surgiram as Toy Libraries, (“biblioteca” de brinquedos), a quais emprestam brinquedos para as crianças levarem para casa. E assim a concepção de brinquedoteca foi sendo construída, e vem crescendo a cada ano em número e diversidade de objetivos.

No Brasil as brinquedotecas apareceram na década de 80, e nasceu do desejo daqueles que preocupados com a criança e seu desenvolvimento viam no brinquedo um excelente companheiro e auxiliar no trabalho para com elas. Em 1984, foi fundada por Nylse Helena da Silva Cunha a Associação Brasileira de Brinquedoteca (ABB), com o objetivo de fornecer assessoria para novos projetos e promover o intercâmbio entre as brinquedotecas já existentes, tendo como principal canal de comunicação o noticiário O Brinquedista. Em 1985, foi inaugurada a brinquedoteca da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, pioneira no Brasil enquanto brinquedoteca em universidades, que além de propiciar às crianças o empréstimo de brinquedos, funciona também como laboratório de observação e pesquisa para estudantes de pedagogia, psicologia e áreas afins.

A brinquedoteca convida a uma mudança de pensamento e uma nova postura diante dos atuais valores que imperam em nossa sociedade. Sua proposta é abrangente a tal ponto que não se destina apenas às crianças, o convite é para todos aqueles que buscam uma sociedade realmente de direito para todos. Para tanto, o início da mudança precisa ser sentido através das crianças, é dando a elas o direito à infância que se principia a conquista da liberdade, pois sendo a criança livre hoje, ela será amanhã um adulto capaz de amar e de participar conscientemente do mundo ao seu redor.

 

Afinal o que é uma Brinquedoteca?

A brinquedoteca é um espaço privilegiado que nos permite na contemporaneidade superarmos a falta que a vivência do lúdico vem fazendo na vida das pessoas, em especial, na vida das crianças. Ela é, por excelência um lugar para o brincar, ofertado às crianças de qualquer idade, condição social ou econômica. O seu propósito maior é o de resgatar na vida das crianças o espaço fundamental para o desenvolvimento das brincadeiras espontâneas, espaço que vem sendo sensivelmente perdido ao longo das últimas décadas na sociedade, devido aos interesses sócio-econômicos, que acarretaram o comprometimento do bem estar da infância e da família.

Uma brinquedoteca traz em si uma diversidade de propostas e objetivos que não se limitam a si mesmos, podendo eles ser flexíveis, de acordo com o interesse e a realidade de cada brinquedoteca. Apresentamos abaixo alguns deles:

§         Oferecer às crianças um espaço especialmente para o brincar.

§         Emprestar brinquedos.

§         Estimular o desenvolvimento emocional, intelectual e social das crianças.

§         Possibilitar às crianças situações que promovam o faz-de-conta.

§         Possibilitar às crianças carentes o acesso aos brinquedos.

§         Possibilitar às crianças interações sociais.

§         Oportunizar às crianças relacionarem com adultos de forma agradável e espontânea, livre do formalismo decorrente das situações estruturadas em instituições. (CUNHA, 1998)

Ao falarmos em brinquedoteca estamos falando em uma oportunidade de experimentar o lúdico em sua totalidade, de um espaço repleto de liberdade e gratuidade, onde o ser humano pode dialogar com a sua essência, o seu eu, promovendo assim, de maneira autônoma a construção de sua subjetividade e a sua visão de mundo. Desta forma, comungando com as idéias de SANTOS (1997), complementamos: “Um espaço assim não é comum: sem cobranças nem exigência de produtos. Este espaço tão pleno, tão cheio de oportunidade pode ser a terra fértil apropriada para a germinação de um novo homem capaz de construir uma nova humanidade.” (p. 22)

 

Quem é o profissional que trabalha na Brinquedoteca...

De acordo com  NEGRINE (1997), o profissional envolvido com a brinquedoteca, seja ele denominado de brinquedista ou ludotecário, deve estar preparado não apenas para atuar como animador, mas também como observador e investigador das relações e acontecimentos que ocorrem no âmbito da brinquedoteca. Para uma tarefa desta dimensão social, o indivíduo necessita de uma formação sólida, fundamentada em três pilares: formação teórica, formação pedagógica e formação pessoal. A formação teórica deve possuir embasamento nas teorias que trabalham com o desenvolvimento, a aprendizagem, o jogo, a recreação e o brinquedo. A formação pedagógica, deve proporcionar a vivência no interior do ambiente lúdico, não apenas no âmbito da infância, mas em diferentes contextos, seja com crianças, adolescente, adultos ou com a terceira idade, complementando desta forma, a formação teórica, a qual se constrói pela vivência e não apenas pela consciência. A formação pessoal aparece, segundo ele, como uma vertente totalmente inovadora, pois deve oportunizar ao educador em formação a vivência do lúdico, ou seja, uma prática mais preocupada com a experiência do que com técnica puramente simples.

 

Por quê uma Brinquedoteca na escola...

Vários são os tipos de brinquedoteca, encontramo-las atualmente nos mais diversos contextos e nos mais diferentes lugares, como: hospitais, igrejas, creches, escolas, favelas, bairros, universidades, clínicas psicológicas, museus, bibliotecas, brinquedotecas para crianças portadoras de deficiências físicas e mentais, brinquedotecas circulantes, além daquelas criadas para testes de brinquedos e as de caráter temporário. Cada uma destas brinquedotecas tem o seu valor e a sua razão de existir, todas possuem um objetivo específico, porém todas possuem um objetivo comum, que é o de resgatar a cultura lúdica e proporcionar experiência do brincar na vida das crianças.

As brinquedotecas em escolas possuem objetivos, que extrapolam o âmbito da infância, atingindo os pais e os profissionais da educação. A brinquedoteca na escola funciona também como um espaço de educação para os pais, que, ao apreciarem as brincadeiras de seus filhos, passam a compreendê-los melhor. Os pais e professores têm muito que aprender com as crianças, e, através das brincadeiras e dos jogos infantis elas dão o seu recado à sociedade, apresentando o que gostam, o que podem e o que precisam para se desenvolverem de maneira integral.

Podemos apresentar como função de uma brinquedoteca escolar os seguintes objetivos: resgatar para o âmbito da escola o caráter lúdico das atividades pedagógicas; oferecer para a criança no seu espaço escolar uma variedade de brinquedos; estimular a interação entre pais e filhos por meio dos jogos; valorizar o ato de brincar, respeitando a liberdade, a criatividade e a autonomia, possibilitando assim a formação do auto-conceito positivo da criança (PAZ, 1997); e mais, passar para os professores e pais o conhecimento sobre a importância do brinquedo para a criança e o significado que ele tem para o seu desenvolvimento afetivo, social, cognitivo e físico.

SANTOS (1997), ao discorrer sobre sua concepção de brinquedoteca nos chama a atenção para a seguinte afirmação: “A brinquedoteca tem uma mensagem a dar para a escola porque pode ajudar as crianças a formarem um bom conceito de mundo onde a afetividade é acolhida, a criatividade estimulada e os direitos da criança respeitados.” (p.22)

KISHIMOTO (1997), estudiosa sobre jogos e brinquedos e sobre a educação infantil, contribui de maneira especial para a concepção das brinquedotecas e nos aponta as seguintes considerações a respeito de brinquedotecas em escolas infantis:

 

Se a função da brinquedoteca é emprestar brinquedos e oferecer espaço de animação cultural, podemos compreender que o uso corrente, em muitas instituições infantis, distancia-se desta prática. Substituir a falta de brinquedos e materiais para desenvolver atividades com pré-escolares introduzindo brinquedotecas aparece mais uma vez como forma de escamotear os objetivos desse nível de ensino. Adotar uma instituição da “moda”, que valoriza o lúdico como um apêndice, sem questionar as funções da brincadeira enquanto proposta educativa é outro exemplo que mascara a inconsistência de um projeto educativo baseado no brincar. (p. 35)

 

Assim, pudemos perceber o quanto é especial um projeto social como o da brinquedoteca, elas vêm para resgatar a brincadeira na vida das pessoas e para salvaguardar a infância. Desejamos um mundo melhor, e é permitindo às crianças o brincar livre e dando a elas um limite para se expressarem, que estaremos abrindo espaço para a experiência de um novo paradigma, mais condizente com os nossos desejos de liberdade e de construção de uma nova humanidade.

 

Conversando sobre as brinquedotecas na escola

Tendo como ponto central desta pesquisa conhecer o que dizem as diretoras de quatro escolas sobre o funcionamento de brinquedotecas dentro do espaço escolar, selecionamos duas categorias para análise:

 - A brinquedoteca escolar como possibilidade de resgatar o lúdico versus a concepção de brincar dos educadores

Ao dialogar com os diretores de escolas públicas e particulares, vimos em suas falas o quanto o brincar encontra-se distante das atividades da infância. As crianças enfrentam uma série de dificuldades para se encontrarem de forma livre e saudável com o brincar, seja pela falta de tempo dos pais, pela divulgação insistente dos programas de televisão e dos videogames, seja pelos pequenos apartamentos com suas limitações de espaço físico; pela crescente desvalorização dos brinquedos tradicionais ou pelo incentivo da sociedade na direção de uma adolescência precoce. Encontramos nos depoimentos das profissionais um saudosismo em relação aos seus tempos de criança, às lembranças das brincadeiras de boneca, da liberdade das ruas e praças, das brincadeiras tradicionais repassadas através das gerações. Percebemos também uma preocupação ao constatarem que nos tempos atuais as crianças não estão brincando como antes. Entretanto, o que tem sido feito na escola para que o brincar se faça presente? Se a escola é um espaço, por excelência da criança, não caberá a ela o papel de possibilitar no seu âmbito o brincar espontâneo? 

 

Vejamos as falas das diretoras:

 

Porque as crianças são criadas em apartamento, pelo pequeno espaço primeiro, hoje não tem o espaço que a criança tinha antigamente, que nós tínhamos antigamente, subir em árvore, de brincar na rua, de brincar de pique, de brincar de maré, a falta de espaço faz com que a criança brinque menos sim. (Luiza, 12/04/00)

 

A gente sabe que a nossa sociedade hoje tem uma série de cobranças que faz com que o lúdico vá se perdendo muito rapidamente e cada dia as crianças brincam menos, cada dia a adolescência começa mais cedo, eu me lembro, eu brinquei de boneca até os 15/16 anos de idade. (Carmem, 24/03/00)

 

Em contrapartida, percebemos uma demasiada preocupação com o processo de ensino aprendizagem, embora exista paralelamente o reconhecimento da importância do brincar. Ao mesmo tempo em que considera a necessidade da criança desenvolver a imaginação, e a importância do simbolismo na idade pré-escolar, predomina a valorização dos brinquedos destinados ao desenvolvimento cognitivo, como os blocos lógicos, os jogos de encaixes, as letras e os números, em detrimento de materiais lúdicos destinados à representação simbólica. Verificamos assim, uma concepção de brincar que valoriza atividades lúdicas objetivadas, supervisionadas e direcionadas para as diversas áreas do conhecimento sistematizado:

 

Brinquedos bons são brinquedos de encaixe né, têm brinquedos, jogos de terceiro período, específico de terceiro período, trabalha com letrinhas, quebra-cabeça, tem aquela cruzadinha, jogos de madeira, tem muito brinquedo, pedagógico mesmo, que faz parte mesmo dentro do planejamento de 1º, 2º e 3º período, dentro do referencial que a gente consegue colocar esses brinquedos, adaptando ao planejamento da professora.(...).O brinquedo... é ideal que ele tenha, o caráter pedagógico, mas o brinquedo na forma lúdica,(...) por que através do brinquedo, uma historinha ela faz dramatização, mesmo com fantoche, com bonequinhos, então isso aí, eu acho que aguça mais a ação da criança, o brinquedo em si para a criança de 4, 5, 6 anos, não é só brinquedo pedagógico, mas o brinquedo em si é muito importante.(...)É por que a idade, a faixa etária também, a criança, trabalha muito com a parte lúdica da criança, é muito importante por que a criança imagine muito nesta faixa etária, então a brincadeira é muito importante, mas uma brincadeira direcionada, também para outras áreas, pra área de português, matemática, as cores, o encaixe, a forma, tá, numerais e também a brincadeira em si para aguçar a imaginação da criança. (Luiza, 12/04/00)

 

Nas palavras de KISHIMOTO (1999), “Seria necessário informar os professores da importância de brincadeiras livres para o desenvolvimento da linguagem, imaginação e iniciativa da criança” (p.33). É notório no registro em referência, a ênfase na necessidade de se preparar a criança da pré-escola para as séries seguintes, e que um bom resultado deste trabalho será obtido através do uso das brincadeiras e dos brinquedos pedagógicos. Nas entrelinhas dessas falas, há uma visão contraditória do brincar e uma concepção da infância que percebe a criança como um vir a ser, como uma preparação para... comunicando assim, que o mais importante não é a criança, em seus aspectos globais, e o brincar pelo prazer em si.

Na nossa compreensão, pudemos observar no relato a seguir, que existe um reconhecimento da necessidade de se resgatar o brincar no espaço escolar. Entretanto, fica registrado um paradoxo ao transformá-lo em instrumento de apoio para o trabalho didático-pedagógico na escola. Em outras palavras, há ciência da necessidade de se resgatar a atividade lúdica, mas por outro lado reside a insistência em didatizá-la e conduzi-la para os interesses predeterminados e conteudistas da escola. Observamos contradições na fala abaixo transcrita:

 

É, livremente as crianças de pré-escola já brincam, por que tem o horário de recreio dela, que é dirigido, que brincam também que utilizam brinquedos, tem o pátio da escola também, que tem maré, tem linhas, curvas abertas, fechadas, então, esse trabalho paralelo com a matemática, com esse tipo de atividade, a maré para os meninos tem número, então eles estão adquirindo a noção de algarismo ali, né, então independente disso na pré-escola a gente já faz um trabalho voltado para o resgate da brincadeira da criança(...). Aqui, o que o referencial nos diz, a gente não tem obrigatoriedade para a alfabetização, então eu acho que essas coisas de brincadeiras, essa coordenação motora fina, fazem parte da pré-escola, porque depois a criança vai para o ensino fundamental a criança não sabe recortar, não tem relação de espaço, porque não foi trabalhado este tipo de coisa, brincadeiras e brinquedos da coordenação motora fina na pré-escola. (Luiza, 12/04/00)

 

KISHIMOTO (1997), tece uma crítica às escolas que determinam as atividades com brinquedos: Muitas escolas preparam atividades dirigidas pelos professores selecionando brinquedos educativos ou delimitando o tipo de brinquedo que pode ser utilizado pela criança. O brincar enquanto recurso para desenvolver a autonomia da criança deixa de ser contemplado neste tipo de utilização”. (p.35)

Na afirmação que segue, desponta a limitada liberdade de escolha da criança em relação ao material lúdico e como eles são valorizados para a construção de conceitos sistematizados.

 

Por exemplo o professor, ele tem que dar opções de mais de um, dois, três materiais diferenciados, então, oferece estes materiais para a criança e ela vai manipulá-los, ela vai descobrir de acordo com o material que você tem, ela vai construir o que ela quer naquele momento e após essa construção o professor media dentro da proposta dele, por exemplo se é um material de fração, eu vou ter blocos inteiros, divididos ao meio, dividido em quatro, então sempre divididos em partes iguais, então eu vou ter um material variado, mas que vai dar margem a esta criança de uni-los, de ver sempre que, as várias opções para chegar a uma construção, a um conceito de fração, você vê, automaticamente ela chega por que é um material adequado pra isso, então não precisa direcionar, olha isso é um inteiro...ela mesma vai chegar, esse inteiro está dividido em tantas partes, onde o professor vai intervir, dando a nomenclatura correta para o aluno. (Márcia, 11/04/00)

 

Desta forma, cabe então buscar respostas para algumas questões: que significado tem para a criança este brincar escolarizado? Qual a importância atribuída aos brinquedos e brincadeiras pelos profissionais da escola? Qual o significado do brincar para os professores?

A fala abaixo, confirma que o espaço construído para acondicionamento dos brinquedos, foi exclusivamente elaborado para dar suporte ao processo de ensino-aprendizagem:

 

Construímos essa sala justamente para dar suporte ao processo ensino-aprendizagem, onde a criança vai construir o seu saber através do lúdico. (Márcia, 11/04/00)

 

A brinquedoteca seria então um espaço a mais para contribuir com os percalços do processo pedagógico:

 

Enriqueceria muito a escola, seria um espaço que a criança poderia utilizar e a professora também, para atingir certos percursos que não atinge sem essa sala. (Luiza, 12/04/00)

 

Nas entrevistas realizadas, observamos que a visão de duas diretoras encontra-se indefinida quanto ao profissional que deve atuar nas brinquedotecas. Em razão disso, uma outra categoria de análise foi estabelecida:

 

 

 

 

 

- O Brinquedista e seu trabalho na brinquedoteca

O brinquedista é um profissional que tem uma formação e um papel específico. De acordo com NEGRINE (1997), a formação do brinquedista se fundamente em três pilares: formação teórica, pedagógica e pessoal. No fragmento de entrevista abaixo, parece não estar muito claro a quem cabe o papel de coordenar o trabalho na brinquedoteca:

 

Não, não acho que o professor, a gente reunindo com o professor, o professor tendo a consciência do que está acontecendo, o que vai acontecer lá dentro, o professor pode levar muito bem a sua parte sem ter um profissional específico pra ficar ali, pode ter o supervisor, pra orientar pra sentar com os professores pra orientar nesta parte, voltar na brinquedoteca, organizar, seria o supervisor pra poder ajudar, mas essa pessoa consegue.(...) Ter o espaço, os brinquedos específicos, organizados, catalogados e o professor conscientizado do que significa a brinquedoteca, não tem... o professor poderia cuidar desta parte. (Luiza, 12/04/00)

 

O diretor, os supervisores, os professores e demais profissionais da escola precisam estar inteirados do projeto da brinquedoteca escolar, ela é parte da escola. Contudo, é um setor que possui suas especificidades e, como tal, necessita de um profissional qualificado para administrar o seu funcionamento. Ao ser concebida a idéia da brinquedoteca escolar, deve-se pensar no brinquedista com especial atenção, para que depois de construída ela possa contar com um profissional preparado e à disposição para gerenciar o seu funcionamento. Para ser brinquedista é preciso ter conhecimentos acerca do desenvolvimento da criança e compreender o brincar nas suas várias dimensões. No caso desta escola, o cargo de brinquedista foi destinado a uma pessoa que estava para se aposentar:

 

 Ela está de férias, é uma pessoa que está se aposentando, que não está podendo ficar na regência, então a brinquedoteca, o cargo de brinquedista foi criado aqui para ela, porque ela não pode ficar em sala de aula. (...) Da criação deste cargo para a pessoa, eu penso que seria muito mais rico se fosse alguém que viesse com essa função e não é se deslocar um profissional que já está em fim de carreira, que não está em condição de ficar em sala de aula. (Luciana, 14/04/00)

 

No enunciado que se segue, além de o brinquedista ser uma pessoa sem capacitação para a função, a escola não reconhece o projeto na sua dimensão social e educacional:

 

A maioria dos professores, quando a professora de brinquedoteca não está aqui, quase ninguém leva. Por que? Porque não foi... como essa situação foi criada para alguém que não tem como dar aula mais, eu acho que não se colocou a importância real da brinquedoteca, tá? Então, porque que eu vou sair da minha sala e levar meus alunos pra lá? Para brincar? Era mais ou menos este o questionamento. (Luciana, 14/04/00)

 

A criança vai à brinquedoteca para brincar. Este é o papel da brinquedoteca, possibilitar o brincar livre. Ao brinquedista cabe a função de observar, buscando compreender o fazer lúdico da criança e atendê-la de acordo com suas solicitações, para que sua intervenção seja oportuna. De acordo com ANDRADE, o brinquedista deve “criar uma situação de presença-ausência: as crianças querem sentir a proximidade do adulto e, ao mesmo tempo, esquecê-lo” (1998. p.93). O brinquedista no seu papel é um interlocutor privilegiado:

 

Eu acho que tem que ser uma pessoa que goste de brincar, que faça despertar na criança que hoje, eu acho, não estão brincando tanto quanto há uns anos atrás, há muitos, mostrar para as crianças o interesse pelo brincar.(...) Eu acho que tem que ser alguém que esteja envolvido e que acredite nisso, não pode ser, há eu estou cansada de dar aula e vou para a brinquedoteca, eu não acredito nisso.(...) Tem que ser uma pessoa capacitada, uma pessoa que não olhe para o brinquedo com o olho de qualquer pessoa leiga, eu acho que você tem que olhar para o brinquedo e enxergar todas as possibilidades que ele pode dar. (Luciana[5], 14/04/00)

 

Desta forma, vimos que o brinquedista é um profissional que precisa ser dinâmico e bem formado, pois a proposta de uma brinquedoteca abrange uma diversidade de propósitos que vão além do que hoje está posto na escola e na sociedade de forma hegemônica.

 

 

 

 

 

 

Alguns passos dados... muitos ainda são necessários...

 

A escola, como um espaço privilegiado da criança, precisa enxergar a sua pedagogia através do olhar da criança, dialogar de acordo com sua linguagem, e o brincar é a linguagem da criança. Ao chegar na escola, a criança precisa desta forma de comunicação. Assim, após alguns passos dados e tendo iniciado um novo caminhar, refletimos: Por que não o brincar no espaço escolar? Por que não uma brinquedoteca na escola?

Consideramos, após analisar os diálogos mantidos nas entrevistas, que existe uma necessidade de se conhecer na escola a proposta e os objetivos de uma brinquedoteca de maneira mais aprofundada. Além disso, faz-se necessário o conhecimento e a compreensão do desenvolvimento infantil e da atividade lúdica. Só assim, a escola irá compreender a dimensão da proposta das brinquedotecas. Nas entrevistas está traduzida a concepção de brincar que possuem os educadores, os pais e a escola como um todo. É uma concepção que valoriza  um brincar predeterminado e direcionado a objetivos que não fazem parte dos interesses e necessidades da criança; uma concepção que não possibilita o brincar livre. Podemos dizer que desta forma há uma desconsideração da criança como sujeito de direitos.

 A escola que se espera para o novo milênio é uma escola que fale a linguagem da criança. Mas para isso é preciso que ela perca o formalismo e autoritarismo nas salas de aula, a pedagogia de caráter obrigatório e conteudista, além da visão adultocêntrica sobre a criança.

Considerando as reflexões que este trabalho nos proporcionou, recomendamos que a escola reveja a sua prática com relação ao papel dos brinquedos e brincadeiras na escola e, em especial, a respeito da implementação de uma brinquedoteca escolar no seu espaço físico, em razão desta última ser o tema privilegiado por esta monografia.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Referências Bibliográficas

 

ABRAMOVICH, Fanny. O estranho mundo que se mostra às crianças. São Paulo : Summus, 1983.

ANDRADE, Cyrce M. R. Junqueira de. A equipe na brinquedoteca. In: FRIEDMANN, Adriana (org.). O direito de brincar: a brinquedoteca. São Paulo : Scritta. 1998. p. 87-98).

ARIÉS, Philippe. História social da família e da criança. Rio de Janeiro: Guanabara, 1981.

BRASIL . Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei n. 9394/96 de 20 de dezembro de 1996. Brasília, 1996.

______. Estatuto da Criança e do Adolescente. Lei nº 8.069/90, de 13 de julho de 1990. São Paulo : CBIA-SP, 1991.

CUNHA, Nylse Helena da Silva. Brinquedoteca: definição, histórico no Brasil e no mundo. In: FRIEDMANN, Adriana (org.). O direito de brincar: a brinquedoteca. São Paulo: Scritta. 1998.

KISHIMOTO, Tisuko Morchida. O brincar e a cultura. Anais do Seminário Literatura, Arte, Educação, Luso Brasileiro. Mimeo. s/d.

______. Brinquedo e brincadeira - uso e significações dentro de contextos culturais. In: SANTOS, Santa M. Pires dos. (org). Brinquedoteca: o lúdico em diferentes contextos. Petrópolis : Vozes, 1997. p.23-40.

KUHLMANN JUNIOR, Moysés. Infância, história e educação. In: ______. Infância e educação infantil: uma abordagem histórica. Porto Alegre : Mediação, 1998. p.15-33. 

MACHADO, Marina Marcondes. O brinquedo-sucata e a criança. São Paulo: Loyola, 1994.

NEGRINE, Airton. Brinquedoteca: teoria e prática - dilemas na formação do brinquedista. In: SANTOS, Santa M. Pires dos. (org). Brinquedoteca: o lúdico em diferentes contextos. Petrópolis : Vozes, 1997. p.83-94.

NOFFS, Neide de Aquino. A brinquedoteca na visão psicopedagógica. In: OLIVEIRA, Vera Barros de (org.). O brincar e a criança do nascimento aos seis anos. Petrópolis : Vozes, 2000. p. 151-184.

 PAZ, Tânia Regina da Silva. Brinquedoteca de escola. In: SANTOS, Santa M. Pires dos. (org). Brinquedoteca: o lúdico em diferentes contextos. Petrópolis: Vozes, 1997. p.113-119.

ROSA, Sanny S. da. Brincar, conhecer, ensinar. São Paulo : Cortez, 1998.

SANTOS, Santa M. Pires dos. (org). Brinquedoteca: o lúdico em diferentes contextos. Petrópolis : Vozes, 1997.

______. Brinquedoteca: a criança, o adulto e o lúdico. Petrópolis : Vozes, 2000.

VYGOTSKY, L. S. O papel do brinquedo no desenvolvimento. In: ______. A formação social da mente. São Paulo : Martins Fontes, 1994.

WEIL, Pierre. A mudança de sentido e o sentido da mudança. Rio de Janeiro: Record : Rosa dos Tempos, 2000.

WINNICOTT, D. W. O brincar e a realidade. Rio de Janeiro : Imago, 1975.

 



[1] Pós-graduada em Arte e Educação Infantil, pela UFJF e Professora do Ensino Fundamental  na Fundação Educacional Machado Sobrinho - Juiz de Fora - MG.

[2] Orientadora desta Monografia do Curso de Especialização em Arte Educação Infantil, pela UFJF. Professora da UFJF e doutoranda pela IPUSP.

[3] Aquele que não fala.

[4] Nylse Helena da Silva Cunha é Presidente da Associação Brasileira de Brinquedotecas e membro da Associação Internacional de Brinquedotecas.

[5] Os nomes das Diretoras em referência nos diálogos são fictícios para a preservação de suas identidades.